Entenda porque sites estão produzindo imagens falsas de pessoas


Já imaginou estar navegando pela internet e de repente encontrar a foto de uma pessoa adorável? Bochechas rosadas, olhos azuis, cabelos loiros, finos e com um lindo sorriso? Mas, e se eu te disser que esta imagem é falsa e essa pessoa não existe na vida real? Isso acontece porque esse rosto é gerado em um site por uma inteligência artificial.

E se você recarregar a página, verá outro rosto, mas igualmente atraente. E igualmente irreal

No início de fevereiro, o engenheiro de software Phillip Wang lançou, como um projeto pessoal, um site que faz uso de um sistema de inteligência artificial criado por pesquisadores da Nvidia. Nomeada StyleGAN, essa inteligência artificial é adepta de criar alguns dos rostos mais realistas de pessoas inexistentes até agora.  Ou seja, imagens falsas.

O site Thispersondoesnotexist.com é um dos muitos que surgiram nas últimas semanas e que utilizam a ferramenta de criação para produzir imagens de pessoas, gatos, personagens e casas de veraneio. No fundo, esses sites servem para mostrar como é fácil criar imagens falsas que parecem plausivamente reais. Seja para pior ou para melhor. 

Leia também: Dicas de pose para fotos no Instagram

Como os rostos são feitos 

Para criar essas imagens falsas, o StyleGAN utiliza o método de aprendizado da máquina GAN (rede adversária geradora). GANs consistem em duas redes neurais. Elas nada mais são do que algoritmos modelados nos neurônios em um cérebro. Esses algoritmos se enfrentam para produzirem imagens de aparência real de qualquer coisa. Assim surgem essas imagens falsas, seja de um rosto de humano ou de uma pintura impressionista. 

Uma das redes neurais criam as imagens e outra tenta determinar se a imagem é falsa ou real

Apesar da área de inteligência artificial existir há décadas, as GANs foram criadas em 2014, por Ian Goodfellow, cientista de pesquisa do Google. A GAN se provou um grande avanço do campo e hoje o StyleGAN é referência na parte de identificar diferentes características dentro de imagens, o que permite mais controle sobre os rostos. 

O uso do sistema também pode resultar em imagens de melhor aparência. Esse fingimento produzido pelas GANs já está sendo utilizado potencialmente por grandes empresas. A startup Tangent, por exemplo, utiliza o sistema para modificar faces de modelos para que varejistas online possam customizar imagens de catálogos para compradores em diferentes países ao invés de usar modelos reais ou Photoshop. 

O problema dos rostos falsos 

Como intusiasta da tecnologia, Wang também criou o site Thiscatdoesnotexist.com, que gera gatos falsos. Porém, por mais empolgado que esteja com o potencial, o engenheiro taambém está preocupado como isso pode ser mal utilizado. 

Até porque o sistema StyleGAN já foi tulizado para criar aquilo que é chamado de deepfakes. No caso, são arquivos de vídeo e áudio falsos que conseguem mostrar uma pessoa real fazendo ou dizendo algo que elas não fizeram ou falaram. Em 2018, por exemplo, o cineasta Jordan Peele se aproveitou da tecnologia de inteligência artificial para fingir ser o ex-presidente Barack Obama

A preocupação com o uso da tecnologia é ecoada por vozes proeminentes na indústria. No mês passado, a empresa de pesquisa de inteligência artificial OpenAI decidiu não lançar o próprio sistema de IA. Isso porque a empresa alegou temores da facilidade ao compor um texto falso que pode ser mal utilizado. 

Por mais que as imagens divulgadas pelos sites de Wang possam ser usadas, ele espera que isso sirva como um aviso sobre as capacidades emergentes da tecnologia. 

Leia também: Vídeos com teorias da conspiração passam a ganhar menos destaque no YouTube

O fascínio por pessoas falsas 

Mesmo que muitos não saibam como se sentir em relação a esse acesso de rostos falsos, eles estão interessados. Wang, na época que era engenheiro de software na Uber, já estudava IA por conta própria. E nesse período, montou seu site, pouco depois da Nvidia disponibilizar o StyleGAN publicamente. 

Com isso, Wang publicou sobre o site em um grupo de IA no Facebook e durante semanas, cerca de oito milhões de pessoas o visitaram. Segundo Wang, o gerador dos sites cria um novo rosto a cada dois segundos e você consegue vê-los a cada atualizada na página.

E todos possuem diferentes tipos de expressões faciais. Alguns sorriem, outros estão com beicinho ou até sérios. Por mais realistas que sejam, ainda há detalhes que conseguem demonstrar que não são pessoas reais. Principalmente em dentes, cabelo ou acessórios e roupas. 

“Eu acho que muitas pessoas olha para isso e dizem ‘Uau, Matrix! Isso é uma simulação? As pessoas realmente estão no computador?'”, conta Wang. 

FONTE