Facebook Watch, o “YouTube do Facebook”, é oficialmente lançado no Brasil


Anunciado em agosto de 2017, o Facebook Watch foi finalmente lançado globalmente na última quarta (29). A plataforma é o novo projeto do site para competir com o YouTube, oferecendo a publicação e compartilhamento de vídeos.

“Com o lançamento global da Watch, estamos apoiando editores e criadores de conteúdo global em duas áreas críticas. Ajudando-os a ganhar dinheiro com seus vídeos no Facebook e a entender melhor o desempenho de seu conteúdo”, explicou a empresa.

Segundo o Facebook, desde o lançamento da plataforma nos Estados Unidos, ela se tornou uma experiência mais social. Tornaram mais fácil a visualização dos vídeos que amigos gostaram ou compartilharam. Além da criação de programas com a participação do público.

Sobre isso, a empresa anunciou em junho que focaria no lançamento de novos programas com recursos interativos, como pesquisas e questionários. A ideia é atingir o objetivo de promover um senso de comunidade entre os criadores e os usuários.

Facebook Watch pelo mundo 

Já funcional nos Estados Unidos desde o ano passado, o Facebook Watch já abriu portas para criadores. Um dos programas é o SKAM Austin. O show transmídia trata de vidas de adolescentes, baseado no programa norueguês. Outro é o talk show Red Table Talk, apresentado por Jada Pinkett Smith e sua família. O programa já ganhou 2,9 milhões de seguidores desde sua estreia, em maio deste ano.

Mas agora, com o lançamento global, a empresa está “empolgada em trazer uma nova plataforma de distribuição”, segundo o diretor de planejamento, Matthew Henick. Além, claro, de criar novas oportunidades para novos criadores de conteúdo. Até porque, além do Brasil, outros países, como Reino Unido, Irlanda, Austrália e Nova Zelândia também receberam a plataforma.

Em setembro, o Facebook Watch será lançado para mais 21 países, incluindo França, Alemanha, Espanha e Argentina. E o investimento não vai ser pequeno.

De acordo com uma pesquisa do Diffusion Group, o Facebook deve gastar entre US$1 bilhão e US$2 bilhões em ofertas de conteúdo. Até porque 50% dos usuários adultos não sabem do serviço e 24% já ouviram falar, mas não o utilizaram.

Leia também: O IGTV é uma ameaça para o YouTube?

Mas, o que o lançamento do Facebook oferece?

Com o objetivo de ser um lugar para descobrir vídeos, o serviço oferece conteúdos mais recentes sobre entretenimento, esportes, entre outros.

Desde o começo do ano, o tempo total assistido no Facebook Watch cresceu 14 vezes. Sendo mais de 50 milhões de usuários assistindo vídeos de pelo menos um minuto na plataforma. Mas, sobre outros serviços, o Facebook Watch funciona como uma maneira de acompanhar os criadores que você adora.

Na parte superior do feed, há a lista Para Assistir, com vídeos recentes das páginas que o usuário segue. É possível personaliza-la seguindo ou removendo páginas dessa lista. Parecido com o Explorar do Instagram.

Outro é uma home para os vídeos salvos. Ou seja, caso você encontre um vídeo interessante, mas não consegue assistir naquele momento, é possível salva-lo para ver depois. O chamativo mesmo está nos vídeos participativos.

Além disso, a empresa está desenvolvendo novas experiências que colocam as pessoas no centro, com a possibilidade de moldar a direção do conteúdo. Futuramente, o Facebook Watch irá lançar novas experiências, como o Watch Parties e Premieres, conteúdos focados na participação. Um outro assunto importante é monetização.

O Facebook anunciou que baixou os limites para editores e criadores ganharem dinheiro com vídeos. Por isso, quem criar vídeos de três minutos, tendo 10 mil seguidores e gerar mais de 30 mil views em um período de dois meses – ou atender aos padrões de qualificação – será monetizado. Basta agora vermos se seu desenvolvimento vai fazer jus aos objetivos.

Fontes: 1 e 2