O que é o Choque de Cultura e por que ele está fazendo tanto sucesso no YouTube?


Choque de Cultura

Você já ouviu falar do Choque de Cultura, mas não sabe o que é ao certo? Por que essas pessoas estranhas estão fazendo tanto sucesso? Do nada surgiu esse programa com esses quatro personagens diferentões e virou a nova moda.

Pessoas fantasiadas dos personagens em bloquinhos no carnaval. Imagens e gifs de bordões do programa, entre outras coisas. Mas quem são eles, afinal?

A origem do Choque de Cultura foi na verdade com o Falha de Cobertura, no canal da TV Quase. Um programa de futebol e outros esportes apresentado por Daniel Furlan e Caito Mainier (no personagem de Cerginho).

Nele Furlan faz um ex-jogador e profissional da área, enquanto Mainier é um jornalista em formação. Mais do que um programa de esporte, o Falha de Cobertura é um humor no estilo “nada faz sentido”.

Na nova temporada, eles estão fazendo vídeos diários sobre as olimpíadas de inverno:

O omeleteve

Graças ao sucesso do Falha, o canal omeleteve, do Omelete, chamou o grupo para fazer vídeos com o mesmo estilo de humor em um programa que teoricamente deveria falar sobre cinema.

Eles pegaram a proposta e decidiram seguir com um projeto antigo chamado “Julinho da Van Talk Show”, que contava com motoristas de van falando sobre a profissão.

Nesse programa estavam presentes Caito Mainer (Bernardo do Ingá, que depois viria a se tornar Rogerinho do Ingá) e Leandro Ramos (Julinho da Van).

A partir disso, decidiram juntar os motoristas de “transporte alternativo” à proposta de um programa de humor e cinema para o “público jovem”. Daniel Furlan criou o personagem Renan, com um modo de falar inspirado em um vendedor de Mate do Rio de Janeiro. Enquanto Raul Chaquer (que aparecia eventualmente na TV Quase) fez Maurílio.

Esse personagem inicialmente seria como os outros, mas eles decidiram trocá-lo por um motorista que “conhece de cinema” e sofre bullying de seus colegas por seu estilo certinho.

A primeira temporada do programa foi um sucesso. Bordões como “Harry Potter sem Harry Potter é golpe” e “achou errado otário!” e expressões como “show” e “falo com tranquilidade” se tornaram marcas registradas entre os fãs.

O vídeo mais assistido do Choque de Cultura é o recente “Marvel vs DC”, com mais de dois milhões de visualizações:

É comum a expressão “Canal Choque de Cultura”, o que não está correto, pois esse se trata de um programa/quadro e não de um canal em si.

Caito Mainier e Daniel Furlan participam ainda como roteiristas no programa “Lady Night”, apresentado pela Tatá Werneck.

Por que o Choque de Cultura faz tanto sucesso?

Os atores encontraram uma fórmula perfeita de humor para os dias atuais na mídia correta. O YouTube é o local do humor. Até canais que não são de humor usam ele de alguma forma.

A plataforma funciona como uma forma de fugir da rotina, algo que um dia foi a televisão. Além da plataforma que encaixa perfeitamente, o conteúdo é muito rico.

Bom conteúdo não está relacionado a seriedade e sim a entregar ao público o que ele espera. Por isso, os risos aqui são provocados por um humor politicamente incorreto e absurdo em um mundo que raramente vê isso.

Tudo isso em forma de ironia, na verdade os atores não querem passar a mensagem do que os personagens falam. Por exemplo, quando Rogerinho fala que tem como dirigir e assistir ao programa ao mesmo tempo.

Outro acerto é ter um foco definido e a originalidade. Eles sabem exatamente quais as pessoas que querem atingir, por isso o público do Choque é tão engajado.

Há milhares de canais de cinema e de humor no YouTube, mas esse é o único sobre motoristas de van falando de cinema da forma mais absurda possível.