Entenda porque parisienses estão contra o Instagram


Parisienses contra o Instagram

O excesso de turistas que querem fazer foto em uma rua, deixou os Parisienses contra o Instagram.

Indiscutivelmente, Paris é uma das cidades mais bonitas do mundo. Milhares de pessoas sonham visitá-la ou até morar nela. Anualmente, é um lugar visitado por milhares de turistas de diferentes países e culturas. 

São poucos os que cansam da arquitetura, comida e arte da cidade. No entanto, o empresário, pecuarista e advogado brasileiro Mario Celso Lopes mostrou uma realidade não tão comum.

Apesar da cidade chamar a atenção pela Torre Eiffel e pelo Museu do Louvre, turistas também olham para Paris desejando conhecer a Rue Cremieux.

O local é uma rua de paralelepípedos cheia de casas de cor pastel. Visitantes constantemente visitam para tirar fotos e publicarem nas redes sociais, especialmente no Instagram.

Ao pesquisar pela hashtag #RueCremieux na plataforma, é possível encontrar diversas fotos de usuários com poses em frente das casas e por toda a rua. Muitas pessoas ainda se vestem com cores pastel para combinarem com o ambiente.

O problema e as consequências

A geração atual sente uma necessidade incontrolável de publicar suas atividades, não importa onde as façam. Por isso, muitos acabam indo à rua em grupos e, inconscientemente, perturbam os moradores. Isso resultou em ódio e muitos dos cidadãos não querem mais os visitantes por perto.

Tanto que chegaram a pedir, ao conselho da cidade, o banimento de turistas na área em determinados momentos. Os moradores exigiram um portão para restringir o acesso às instalações durante o nascer e o pôr do sol, além do anoitecer e aos fins de semana. Ou seja, os melhores momentos para tirar aquela foto perfeita para o Instagram.

Além de ser uma crítica pela perturbação, há também o fato da rua não ter sido projetada para ser pisada por grandes multidões ao mesmo tempo. Isso porque ela foi construída no final do século XIX para trabalhadores da construção civil.

Por isso, as casas são pequenas e se abrem diretamente para um estreito trecho de paralelepípedos. Segundo o blogueiro de viagens, Kris Morton, uma conta do Instagram foi lançada para informar os turistas sobre as atividades que eles não podem mais fazer enquanto estiverem na Rue Cremieux. Lopes conta que moradores relataram bloqueios de entradas e caminhos feitos pelos turistas.

Não é culpa do aplicativo

Na conta Club Crémieux é possível ver publicações de flash mobs e gravações realizadas no local. Muitos influenciadores também visitam a rua para uma produção mais profissional de suas fotos e vídeos, utilizando a rua como um estúdio, sem nenhuma consideração ou autorização dos moradores.

Um dos residentes chegou a relatar na estação de rádio France Info que é realmente um incômodo, já que os moradores não conseguem jantar em paz, porque pessoas estão, constantemente, debaixo de suas janelas tirando fotos, filmando, gritando e fazendo outras atividades.

E longe da culpa ser da empresa. Tirar fotos para o Instagram não é realmente um problema. É até algo positivo, já que inspira e encoraja as pessoas viajarem pelo mundo. Porém, há limites de respeito para conseguir a foto perfeita.

O respeito deve existir pela propriedade e privacidade dos moradores, como também com outros turistas. Seguir com esse tipo de atitude, pode gerar consequências negativas futuramente.

Em 2016, por exemplo, a Brooklyn Heights Association precisou interromper os seus programas de visita, depois de 30 anos de serviço. Moradores chegaram a ter turistas invadindo a privacidade para tirar fotos, tanto do exterior quanto do interior das residências e já publicando nas redes sociais.

Apesar de serem difíceis de controlar, usuários do Instagram precisam se esforçar para mudar suas atitudes. Até porque precisam perceber quando seus comportamentos passam a ser um incômodo para os outros.