Profissão de youtuber pode ser regulamentada por deputado


Na última quarta-feira (31), foi apresentado na Câmara dos Deputados, por Eduardo da Fonte (PP/PE), um projeto de lei que regulamenta a profissão de youtuber no Brasil.

O projeto, no caso, classifica o criador de conteúdo como “obreiro que cria vídeos e os divulga na plataforma social do YouTube, com amplo alcance de seguidores e afins”.

No projeto, produtores de conteúdo de outras plataformas não foram inclusos. O texto também explica que não é apenas a regulamentação do trabalho.

Mas também é necessário para criar regras para os estilos de conteúdo publicados. Até, segundo o texto, pela influência na formação de opinião gerada na sociedade, especialmente os jovens.

Leia também: Entenda a importância da sua reputação como influenciador

Esse termo deixa um gancho também para que outras legislações sejam propostas, limitando a forma de expressar posicionamentos nos conteúdos.

A justificativa para a formação desse projeto é que a profissão de youtuber é muito presente. Entretanto, na maioria das vezes, é um trabalho realizado de forma autônoma. Ou uma profissão “exposta a contratos sem proteções legais previstas”.

Mas, o que isso tudo significa para a profissão de youtuber? 

Bem, a proposta de lei pretende, basicamente, proteger youtubers dos riscos atrelados às atribuições da profissão.

Segundo a publicação do Canal Tech, no artigo 4º é dito que: “Nenhum youtuber profissional será obrigado a interpretar ou participar de trabalho que ponha em risco sua integridade física ou moral”. E vai do empregador “elaborar e implementar medidas de prevenção de acidentes e doenças do trabalho”. Isso, de acordo com o artigo 13º.

Há também termos sobre formas de contratação dos profissionais. Eles podem ser admitidos por prazos determinados ou indeterminados, sem precisar garantir exclusividade de vínculo profissional com os empregadores.

Leia também: Fundamentos importantes para falar com micro e macro influenciadores

Sobre a jornada de trabalho, a proposta indica que youtubers não podem ter uma jornada maior que seis horas diárias e 30 semanais. Esse tempo conta com “gravação, bem como o tempo necessário de preparação”. Horas extras deverão ser pagas com acréscimo de 100% sobre o valor da hora normal.

Para aqueles que prestarem serviços em condições perigosas terão direito a receber adicionais. Contudo, não há informações sobre direitos para fins de aposentadoria.

É assegurado também um horário mínimo de 45 minutos para refeição e descanso. Antes da votação, a proposta precisa passar pelo presidente da câmara dos deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ).

Leia também: Como se portar em um vídeo do YouTube?

FONTES 1   2